1. Compre menos e melhor
Gaste com sabedoria, investindo em peças de qualidades e feitas para durar. Nada mais fora de moda do que adquirir uma roupa que só será usada uma vez. 

2. Compre de segunda mão
Estima-se que o mercado de resale atinja US$ 64 bilhões nos próximos cinco anos – um crescimento de 500%. Recentemente, a Gucci entrou neste segmento em parceria com o site americano The RealReal, assim como a Levi’s, que lançou uma plataforma própria. 

3. Alugue ao invés de comprar
“O ato de alugar roupas para o dia a dia abre inúmeras possibilidades para se ter no armário sempre algo novo e diferente, porém sem fazer parte de um consumo desenfreado”, frisa Fernanda Simon, editora contribuinte de sustentabilidade da Vogue. Para além do vestido de festa, há uma série de novas plataformas digitais nacionais que reúnem marcas autorais e coleções atuais também para o dia a dia.

4. Abuse do que você já tem no guarda-roupa
Todos possuímos peças que não vestimos tanto quanto pretendíamos na compra. Experimente buscar por “tesouros” esquecidos ou perdidos no seu armário antes de adquirir algo novo. 

5. Apoie jovens estilistas
Expanda seus horizontes para descobrir novos criativos. Comprar de recém-formados ou de marcas jovens e independentes é uma ótima maneira de ajudar talentos que estão começando a carreira. 

6. Leia as etiquetas
Comece a entender de onde vem as peças que você está adicionando ao seu guarda-roupa – isso o tornará um consumidor informado. Outra maneira de entender as origens e os fatores éticos das roupas é vasculhar e investigar o site da marca.

7. Cobre das marcas que você consome
Uma moda mais consciente parte de ambos os lados: enquanto as grifes precisam se preocupar em se tornar mais sustentáveis e éticas, essa postura também tem que ser estimulada (e cobrada) pelo próprio consumidor.