Visualizações: 99
0 0
Tempo:2 minuto, 34 segundos

Um ano após inovar no mercado brasileiro ao lançar uma coleção piloto criada de forma digital, a Renner vem expandindo o uso da tecnologia tridimensional (3D) no seu processo de desenvolvimento de produto. Agora, chega às lojas físicas e ao e-commerce uma coleção feminina de Get Over, linha esportiva da marca, com quase 90 peças desenvolvidas de ponta a ponta com 3D, utilizando ferramentas avançadas em todas as etapas de concepção dos itens, incluindo o desenho, modelagem e aprovação das roupas.

 Atualmente, aproximadamente 40% dos produtos femininos de Get Over já são criados de forma totalmente virtual, com 3D. A marca é precursora na incorporação da moda phygital ao varejo, com os times de design trabalhando em colaboração com o Hub Digital e com o Lab de Inovação, núcleos multidisciplinares criados pela Renner para impulsionar a inovação no negócio.

A tecnologia tem gerado à empresa ainda mais agilidade e sustentabilidade no desenvolvimento dos produtos. Nesta coleção de Get Over, por exemplo, a digitalização de processos permitiu reduzir em 25% o tempo de desenvolvimento técnico do produto, que é o tempo que leva desde a concepção de um item até a sua disponibilização para venda. Já a geração de amostras físicas para aprovação da coleção foi 50% menor que o convencional.

“Ao ampliar a aplicação das ferramentas de moda digital no fluxo de desenvolvimento de coleções, garantimos maior eficiência ao trabalho de criação, permitindo à Renner e aos nossos fornecedores, responsáveis pela fabricação das peças, reagir de forma cada vez mais rápida aos desejos dos clientes, com assertividade e baixo volume de estoques. A iniciativa também está totalmente alinhada à nossa estratégia ESG, usando a inovação a serviço da sustentabilidade”, diz o diretor de Produto da Lojas Renner, Henry Costa.

O processo envolve uma série de passos: desenho de roupas em um ambiente virtual, de forma rápida e intuitiva; existência de uma biblioteca de materiais têxteis digitais e manequins digitais, que possibilitam experimentar texturas e cores em peças que se ajustam a diferentes tipos de corpos; visualização em tempo real, para que os designers vejam como as criações ficarão no mundo online antes de produzi-las fisicamente; e aprovação das peças em todas as etapas, diminuindo a necessidade de amostras físicas. A Renner usa o software coreano CLO3D – principal simulador de moda digital do mundo.

O fortalecimento deste conceito phygital e o lançamento da nova coleção de Get Over reafirmam o pioneirismo da Renner em moda digital no mercado brasileiro. A marca foi a primeira grande varejista do país a fazer uma coleção piloto com tecnologia tridimensional, como parte da sua campanha Outono Inverno do ano passado. De lá pra cá, realizou desfiles em 3D outras experiências unindo o mundo físico ao digital.

Agora, a comunicação dos novos produtos de Get Over também carrega uma pegada inovadora e phygital. As fotos que estarão no e-commerce e nas redes sociais vão misturar imagens das peças em 3D com modelos reais vestindo as roupas físicas. A campanha terá ainda a participação de influenciadores parceiros da marca e da Rennata, persona digital da Renner.
 

Sobre o autor da postagem

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe um comentário