Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump e estrategista da Casa Branca, foi preso nesta quinta-feira (20). Ele é acusado de fraude de centenas de milhares de doações para a campanha “We Build the Wall”. Bannon, além de três outros sócios, foram indiciados pelo distrito de Nova York. Segundo a acusação, o grupo de líderes conservadores aplicou golpe de fraude que culminou em “mais de 25 milhões de dólares para construir um muro na fronteira sul dos Estados Unidos com o México”. O processo cita Timothy Shea, que em maio foi anunciado como administrador do órgão federal anti tráfico de drogas, Brian Kolfage, um vetereno da guerra do Iraque e Andrew Badolato. Trump, até o momento, não se manifestou.

Em junho de 2019, uma organização americana criou uma campanha de arrecadação nas redes sociais para construir novos trechos do muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. A transmissão do programa, chamado Wall-A-Thon, foi feita em Sunland Park, no estado do Novo México, onde foi anunciada a construção do primeiro trecho – de cerca de um quilômetro – de cerca fronteiriça financiada com verba privada. O dinheiro arrecadado, no entanto, não foi destinado para as obras.

Os participantes da campanha do GoFundMe tinham a oportunidade de “comprar” anúncios publicitários que serão colocados neste muro, cuja construção começou devido aos problemas de Trump para realizar uma de suas principais promessas eleitorais, diante da recusa do Congresso de liberar verbas.