O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi formalmente confirmado nesta segunda-feira, 24, como o candidato do Partido Republicano para as eleições de 3 de novembro, nas quais tentará permanecer no cargo por mais quatro anos. A candidatura do presidente foi aprovada por unanimidade na convenção do partido, realizada em Charlotte, no estado da Carolina do Norte, pelos 2.550 delegados participantes – eram necessários 1.276 votos favoráveis. Deste total, cerca de 300 estavam presentes.

O presidente americano fez um discurso no Centro de Convenções de Charlotte, onde o evento está sendo realizado, logo após os representantes do partido na Flórida votarem – outros estados ainda divulgariam seus votos. Trump subiu ao palco diante de uma platéia de cerca de 300 delegados que começou a gritar “mais quatro anos”, e respondeu: “se quiserem deixá-los realmente loucos, digam mais 12 anos”. Após o pronunciamento, a votação foi retomada até o final, com os representantes do estado de Wyoming. Após declarar oficialmente Trump e o atual vice-presidente Mike Pence como candidatos pela chapa do partido, os republicanos concluíram a primeira parte das atividades do primeiro dia da convenção – a segunda começará às 20h30 de Brasília.

O presidente planeja aparecer em cada um dos quatro dias da convenção, quebrando a tradição de os candidatos apenas aparecerem no último dia. Assim como a convenção do Partido Democrata, realizada na semana passada, a republicana acontece em grande parte de forma virtual devido à pandemia do novo coronavírus, mas foi organizada às pressas, após o cancelamento do plano de Trump de realizar pessoalmente um grande show em Jacksonville, na Flórida.

E se a convenção democrata deu prioridade aos grandes nomes do partido – incluindo todos os seus ex-presidentes – a republicana dará menos ênfase ao ‘establishment’ e mais aos nomes mais ligados a Trump, com espaço para estrelas conservadoras da internet e políticos que estão pensando em concorrer à Casa Branca em 2024. Trump aceitará a indicação para a reeleição com um discurso que fará ao vivo na quinta-feira, na Casa Branca. A escolha da sede presidencial para esse pronunciamento gerou algumas críticas, já que os presidentes americanos que disputam pleitos não a utilizam para eventos de campanha.

*Com informações da EFE